Código do Trabalho – Registo de tempos de trabalho.


 Pela minha experiência, posso concluir que uma grande parte das empresas não possuiem o Registo de tempos de trabalho, previsto no Código do Trabalho.

No referido código, no seu art.º 202, pode-se ler que “o empregador deve manter o registo dos tempos de trabalho, incluindo dos trabalhadores que estão isentos de horário de trabalho, em local acessível e por forma que permita a sua consulta imediata.

O registo deve conter a indicação das horas de início e de termo do tempo de trabalho, bem como das interrupções ou intervalos que nele não se compreendam, por forma a permitir apurar o número de horas de trabalho prestadas por trabalhador, por dia e por semana, bem como as prestadas em situação referida na alínea b) do n.º 1 do artigo 257.º, ou seja, o trabalho prestado em acréscimo ao período normal de trabalho, em substituição da perda de retribuição por motivo de faltas, quando o CCT o permita.

O empregador deve assegurar que o trabalhador que preste trabalho no exterior da empresa vise o registo imediatamente após o seu regresso à empresa, ou envie o mesmo devidamente visado, de modo que a empresa disponha do registo devidamente visado no prazo de 15 dias a contar da prestação.

O empregador deve manter o registo dos tempos de trabalho durante cinco anos.

Constitui contra-ordenação grave a violação do disposto neste artigo. Poderão consultar as coimas aplicadas a esta contra-ordenação aqui.

Entre as várias soluções possíveis para a formalização deste registo, conta-se o livro de ponto, provavelmente a mais utilizada, folhas individuais por trabalhador, a utilização de dados biométricos (registo de impressões digitais, controle da íris, v.g.).
Qualquer destes métodos se afigura adequado, desde que permita apurar as horas exactas de entrada e saída do trabalhador do seu local de trabalho, incluindo nos períodos de intervalo.
Não obstante, no que diz respeito ao método em suporte de papel, é ainda defensável que seja sempre aposto o visto do trabalhador, por forma a certificar a veracidade da informação do próprio registo, o que, aliás, é corroborado pela Lei, quando prevê, no caso de o trabalho ser prestado no exterior da empresa, que o trabalhador vise o seu registo imediatamente após o seu regresso ou o envie devidamente visado ao empregador, de modo a que este disponha do mesmo no prazo de 15 dias a contar da sua prestação.
Quanto ao local onde deve ser mantido o registo, deve seguir-se o critério respeitante aos mapas de horário de trabalho, ou seja, o registo deve estar no local de trabalho onde o trabalhador presta a sua actividade, para permitir a sua consulta e controlo.

Alguns exemplos poderão ser obtidos aqui (Partilha Toc):

Anúncios

2 thoughts on “Código do Trabalho – Registo de tempos de trabalho.

  1. With the holidays right around the corner and all the parties,
    gatherings and outings to meet new people, it’s the perfect time
    for you ladies to brush up on your dating skills.

    Once you’ve gotten retrenched and re-centered in your power,
    you can venture forth again. Click on the ‘social networks’ section in the menu bar, and it will direct you to the query
    box.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s